Botox e disfunção da ATM

Botox é uma toxina.

Isso mesmo, o botox é uma substância que LESIONA tecidos. Mas como diz o ditado popular a “diferença entre o veneno e o remédio é a dose.“,  neste caso, não só a dose como a forma de uso também.

A toxina botulínica é um bloqueador neuromuscular, ou seja, ela interrompe a comunicação entre o músculo e o nervo fazendo com que o músculo deixe de funcionar. É essa propriedade que levou seu uso às clínicas estéticas, pois ao ser aplicado sob a pele, a toxina lesiona a placa motora dos músculos,  impedem que esses contraiam e evita que as rugas se formem e a pessoa fica com um aspecto facial mais liso.

Também é utilizado em várias outras situações médicas mas, para tratamento de disfunção da ATM, o seu uso é muito restrito e, em muitas situações, não faz o menor sentido do ponto de vista da correção do problema.

Para se ter uma idéia, até o momento em que foi escrita esta matéria, nem o FDA americano, nem a Anvisa brasileira aprovaram ainda o seu uso para DTM, veja o que diz o Instituto Nacional Americano de Saúde a respeito disso:

(…)  Used in small doses, Botox injections can actually help alleviate some health problems.  The Food and Drug Administration (FDA) has approved Botox for the treatment of certain eye muscle disorders, cervical dystonia (neck muscle spasms), and severe underarm sweating, as well as for limited cosmetic use.  Botox has not been approved by the FDA for use in TMJ disorders (…)

Tradução:

(…)Usado em pequenas doses, injeções de botox podem ajudar a aliviar certos problemas de saúde. O FDA (nota da tradução: o equivalente à Anvisa Brasileira) aprovou o botox para tratamento de certas desordens musculares dos olhos, distonia cervical (espasmos cervicais), sudorese (suor) excessiva da axila e também para alguns usos cosméticos. Botox não foi aprovado pelo FDA para uso em desordens da ATM (…)

Mas porque há profissionais utilizando?

Porque têm como objetivo, apenas,  eliminar a dor dos músculos do paciente. Como o botox é capaz de cortar ou diminuir substancialmente a comunicação entre o nervo e o músculo, essa diminuição da dor é possível e o paciente acaba por se sentir muito melhor. Entretanto, esse alivio da dor é seguido de uma alteração muscular cada vez maior. Os músculos mastigadores acabam por entrar em hipofunção (atividade abaixo do patamar de normalidade)  acarretando prejuízos que, eventualmente, podem se tornar permanentes, uma vez que  estudos tem demonstrados que isso gera sequelas na estrutura muscular.

Nesses casos, quando a dor retornar (e provavelmente ela irá retornar), a disfunção da ATM se tornará cada vez mais incontrolável e menos responsiva aos mais diversos tratamentos.

Fique esperto, não deixe a ansiedade causada pela dor te levar a um tratamento assim!

Atenciosamente,

Marcelo Matos