I Congresso Brasileiro de Imaginologia e Radiologia Forense

Prof. Dr. Jeidson Marques, presidente do Congresso (à esquerda) e Dr. Marcelo Matos

Prof. Dr. Jeidson Marques, presidente do Congresso (à esquerda) e Dr. Marcelo Matos

Foi com muita satisfação que ministrei a única palestra sobre RESSONÂNCIA MAGNÉTICA no I Congresso Brasileiro de Imaginologia e Radiologia Forense, que ocorreu em conjunto com três outros eventos: I Fórum Internacional de Perícias em Marcas de Mordida, Curso Internacional de Antropologia Forense Digital e Projeto Virtopsy e VI Jornada Baiana de Medicina e Odontologia Legal.

O evento foi fantástico! Foi o primeiro do gênero no Brasil. Créditos do organizador e presidente do Congresso Prof. Dr. Jeidson Marques.

O mundo entrou na era digital.

Na prática forense, a tecnologia de exames por imagem substitui até mesmo a tradicional autópsia. O reconhecimento de identidade de suspeitos de crimes pode ser feito com base em marcas de mordidas digitalizadas por métodos de escaneamento a laser e comparados por meios de softwares específicos. A tomografia e  tecnologia de CAD/CAM permitem a  construção de modelos virtuais de indivíduos que podem ser usados para reconhecimento de pessoas em situações de grandes catástrofes, crimes e mesmo no erro médico-odontológico.

Foi neste último tema, o erro médico-odontológico, que pautei a minha palestra. Mostrei como a ressonância magnética e principalmente a interpretação dos fatos realizada com base neste tipo de exame MUDA TUDO. Muitos conceitos que se tinha como verdade caem por terra e novas situações consideradas por muitos como  impossíveis ou improváveis se tornaram realidade. O ponto-chave de tudo isso é que boa parte dos erros odontológicos podem (e devem) ser evitados ao levar em consideração a natureza dos processos patológicos que acometem a ATM e geram sequelas crânio-maxilo-mandibulares. Essas sequelas, para serem solucionadas, seja por cirurgia, ortodontia ou prótese, precisam incorporar as informações do sistema articular temporomandibular.

Isso foi ilustrado com casos complicados cuja solução tanto jurídica como clínica passou por esse tipo de entendimento e o melhor, o grande beneficiado ao final de tudo isso é o PACIENTE, que pode ter sua saúde restaurada, dentro dos limites de cada situação, melhorando por fim sua qualidade de vida.

Como esse tema me encanta, aqueles colegas dentistas que queiram se aprofundar nesse contexto não deixem de conferir o nossos programas de diagnóstico por imagem, para isso basta entrar em contato pelo e-mail [email protected]

Aos pacientes, se vocês estão passando por situações complicadas em um tratamento odontológico, tais como:

  • próteses ou dentes que quebram com frequência, sem motivo aparente ( muitas vezes atribuída ao bruxismo),
  • problemas faciais como queixo pequeno ou grande demais e assimetrias (queixo torto), especialmente aquelas que voltam a ocorrer mesmo depois de já ter passado por uma cirurgia ortognática,
  • mordida aberta que mesmo tratada via ortodontia insiste em reabrir  e
  • dores musculares e articulares relacionadas à disfunção da ATM que não cessam, mesmo tendo passado por múltiplos tratamentos.

Saibam que é possível investigar certos aspectos do problema e que em muitos casos se pode planejar uma alternativa de tratamento que lhes permitam reassumir o controle da saúde. Já há avanço científico e tecnológico para isso.